Já é possível produzir antimatéria e transportá-la

Física

Já é possível produzir antimatéria e transportá-la

Sonapeca.com.br
Publisher Logo

28 de fevereiro de 2018

Para nós pessoas comuns a antimatéria continua a ser um objeto estranho. Para os físicos ela está suficientemente dominada ao ponto que eles possam considerar usá-la em experimentos. E já é possível imaginar sendo transportada em um caminhão!

 

Durante muito tempo a antimatéria parecia inalcançável, os pesquisadores não tinham uma  ideia de como produzi-la para estudá-la, mas recentemente os cientistas desenvolveram uma técnica que permite a extração de antiprótons. Suficiente, pensa hoje um time do CERN (Suíça), para considerar usar antimatéria para entender melhor o estranho comportamento de alguns núcleos radioativos raros. Mas para isso eles terão que transportar esta antimatéria de um laboratório para outro … em um caminhão!

 

No coração do Laboratório Europeu de Física de Partículas uma experiência de produção de antimatéria. Como? Ao atingir um alvo de metal com um feixe de prótons. Os antiprótons emergentes são então desacelerados e os pesquisadores do Cern esperam prendê-los no vácuo graças aos campos magnéticos.

 

A equipe planeja capturar até um bilhão de antiprótons. Um bilhão de antiprótons que terão que ser armazenados por várias semanas em um recinto mantido apenas a quatro graus acima do zero absoluto e no vácuo comparável ao que reina no espaço intergalático.

 

Um bilhão de antiprótons ?

 

Um bilhão de antiprótons não são nada. Em um único grama de hidrogênio há cem mil bilhões de vezes mais de prótons. E “a energia liberada por sua súbita aniquilação não chegaria a um joule. Energia  suficiente apenas para levantar uma maçã a  20 centímetros “, assegura Alexandre Obertelli, o líder do projeto.

 

O desenvolvimento da tecnologia necessária para a captura e transporte de antimatéria deverá demorar quase quatro anos. As primeiras medidas estão previstas no CERN para 2022. © Cern

 

Desvendar os segredos das estrelas de nêutron

 

A armadilha será então carregada em um caminhão para transporte a poucas centenas de metros de distância. Nesse outro laboratório um experimento produz núcleos atômicos raros e radioativos. Esses núcleos se desintegram tão rapidamente que não é possível movê-los. E eles têm um desequilíbrio de nêutrons / prótons que pode ser a fonte de características exóticas interessantes para entender.

 

No entanto, antiprótons tendem a se autodestruir facilmente e rapidamente quando encontram prótons e nêutrons. Daí a ideia de explorar essas aniquilações nos núcleos com uma vida muito curta. Ao discriminar o número de vezes que os antiprótons aniquilam  os prótons ou nêutrons, os físicos esperam poder determinar as densidades relativas dessas partículas e sua distribuição dentro desses núcleos.

 

O objetivo dos pesquisadores do CERN é fornecer algumas informações aos astrofísicos que estudam estrelas de nêutrons e a formação de elementos pesados ​​no Universo. Os núcleos dessas estrelas massivas, de fato, constituem um mistério que poderia ser resolvido por uma melhor compreensão do que acontece dentro dos núcleos radioativos exóticos.

 

 

Galeria de Fotos

Os vencedores do campeonato de fotografia da National Geographic Nature 2017

Arqueologia

Afrescos cristãos restaurados nas catacumbas romanas

Astronomia

Curiosity oferece-nos a sua última selfie e um excelente panorama de Marte

Saúde

Os perigos desconhecidos de nossa língua

Saúde

10 piores lugares de nossa casa onde contêm micróbios

Parceiros
Uêba - Os Melhores Links
EuTeSalvo - Salvando os melhores blogs! TrendsTops - Agregador de Links
Fake - O agregador de links mais Original da Net Ocioso
GeraLinks - Agregador de links