Poeira interestelar pode ser responsável pela criação de Nanodiamantes

Astronomia

Poeira interestelar pode ser responsável pela criação de Nanodiamantes

Sonapeca.com.br
Publisher Logo

13 de Fevereiro de 2018

A radiação da poeira interestelar conhecida por 40 anos, mas ainda pouco explicada, pode ser originária de nanopartículas de diamante.

 

O Universo é a fonte de muitas radiações algumas das quais ainda são mal compreendidas. Este é o caso do ERE (Extended Red Emission), que é uma ampla faixa de emissão constatada em alguns ambientes interestelares que se estendem entre cerca de 600 e 800 nm que já vem sendo observado há cerca de 40 anos. Sabe-se que está relacionado ao pó interstelar, mas a natureza precisa de sua fonte ainda não estava claramente identificada. Hsaio-Chi Lu do National Synchrotron Radiation Research Center de Taiwan e seus colegas disseram que os nanodiamantes poderiam ser responsáveis ​​por esse fenômeno.

 

Em teoria, os diamantes são compostos exclusivamente de carbono, mas na prática eles têm defeitos na sua rede de cristal principalmente “centros de vacância de nitrogênio” denotado por NV, onde um átomo de nitrogênio substituiu um átomo de carbono. Esses defeitos são responsáveis ​​por efeitos eletrônicos altamente estudados, mas também pela fotoluminescência. Irradiado no ultravioleta os diamantes que contêm defeitos do tipo NV emite uma luz vermelha intensa.

 

Resta saber se esta luz corresponde ao ERE, Hsaio-Chi Lu e seus colaboradores prepararam um pó de diamantes nanométricos que sejam ricos em centros de NV para serem submetidos a uma intensa radiação no comprimento de  170 nanômetros no ultravioleta.

 

Com um comprimento de onda entre 520 e 850 nanômetros, a luz vermelha emitida em resposta pelos nanodiamantes é consistente com a da radiação ERE proveniente da nebulosa NGC7023. Além disso, a eficiência da fotoluminescência (o número de fótons emitidos no vermelho em comparação com o número de fótons absorvidos no ultravioleta) foi avaliada em 40% no contexto dessa experiência que, de acordo com a autores, é acima do limite baixo do ERE determinado por estudos astrofísicos.

 

“Esta experiência terrestre é interessante porque é uma abordagem complementar da abordagem observacional convencional para o estudo da luminescência ERE”, afirma Olivier Berné, pesquisador do CNRS no Instituto de Pesquisa em Astrofísica e Planetologia de Toulouse. “Os diamantes não são os únicos candidatos para o ERE. Toda uma população de nanopartículas de carbono é poeira estelar “, diz ele. Hidrocarbonetos alifáticos, aromáticos  que são abundantes no meio interestelar também são bons candidatos para explicar o ERE. “Devemos ser capazes de realizar experimentos similares sobre esses outros compostos”, explica Olivier Berné. Outra forma de confirmação seria verificar a presença desses nanodiamantes nas áreas de origem da fotoluminescência.

História

A história de Spartacus o gladiador rebelde

Tecnologia

Foi detectada uma falha de segurança crítica no sistema operacional MacOS

Saúde

O álcool causa danos ao DNA das células-tronco do sangue

Galeria de Fotos

Fotos de um urso polar fotografadas por um drone

Parceiros
Uêba - Os Melhores Links
EuTeSalvo - Salvando os melhores blogs! TrendsTops - Agregador de Links
Fake - O agregador de links mais Original da Net Ocioso
GeraLinks - Agregador de links